Home Consciência Os Sete Princípios da Huna – 2. KALA

Os Sete Princípios da Huna – 2. KALA

17 min de leitura
5
0

Esta é uma série de sete artigos baseados nos sete princípios havaianos de vida da tradição Huna.

Huna é um termo havaiano para “segredo”. Mas a sua aplicação prática o torna um método universal para o crescimento e realização que está longe de ser “psicologuês”. Esta série discute os 7 princípios da Huna os quais são:
IKE – O mundo é o que você pensa que é
KALA – Não existem limites, tudo é possível
MAKIA – A energia flui para onde a atenção vai
MANAWA – Agora é o momento de poder
ALOHA – Amar é ser feliz com
MANA – Todo o poder vem de dentro
PONO – Eficácia é a medida da verdade

No último artigo eu falei sobre o princípio Huna de Ike – “O mundo é o que você pensa que é” . Não deixe de ler este artigo, uma vez que poderia me referir a ele. Também é bom para entender o conteúdo de Ike para a compreensão do princípio 2 – Kala.

Feito isso? Ok, vamos saltar para ele …

2. KALA – Não existem limites, tudo é possível

Na verdade Kala tem dois significados ligados a ele. Primeiro, ele afirma que não há limites, e segundo ele aponta para a necessidade de se libertar e perdoar, que são as duas maneiras de superar esses limites.

Não há limites reais para a sua vida, para a capacidade do universo lhe dar livremente – diferente do que você define para si mesmo. Esse pensamento a princípio parece irrealista, já que vemos limites ao nosso redor. Nossos corpos só podem crescer a uma certa altura, só podemos ver até uma certa distância, os nossos ouvidos só pode ouvir dentro de uma faixa de freqüência limitada, nós só vivemos uma certa quantidade de anos, a Terra é limitada na sua dimensão, os recursos são limitados, só temos uma certa quantidade de dinheiro no banco – limites, limites e até mesmo mais limites. Então o que é essa coisa de não-limite?

O universo em si é ilimitado, e se você seguir o processo de pensamento de Ike (Princípio 1) ver o mundo como um sonho nos aproxima da compreensão da natureza e função dos limites.

Por entendermos isso devemos separar dois tipos de limites: limites criativos e filtrados.

Limites Criativos

Um universo sem qualquer limitação é igual a uma experiência ilimitada que é igual a nenhuma experiência.

Sem limites significaria nenhuma diferenciação, nada para se comparar e nada para experimentar. A própria natureza da experiência é a da comparação. Comparamos determinados níveis de luz para ver. Comparamos determinadas freqüências de som para ouvir. O que você experimentaria se você vivesse em um mundo onde houvesse apenas uma cor ou um som – Nada. Você não pode ver, ou ouvir nada.

É por isso que o Universo ilimitado precisa de limites criativos para nos permitir experimentar qualquer coisa. Portanto, a limitação e separação do espectro de cores, espectro sonoro é uma limitação útil e criativa que nos permite experimentar noite, dia, luz, cor, som, música, ruído, etc. E é o mesmo com tudo em nosso mundo que podemos experimentar através dos nossos cinco sentidos.

Ou pense em qualquer jogo – eles são todos baseados em regras, que são, claro, limites. Mas sem esses limites, o jogo não existiria. E se você jogar um jogo de xadrez e um dos jogadores decidir não seguir as regras do jogo e mover as peças do jeito que ele quiser. Naquele momento o jogo por si só não seria possível e deixaria de existir. Mais uma vez um exemplo para os limites criativos.

O que um xamã Huna (chamado de kahuna ) faz não é negar a existência ou a utilidade de regras e limites, mas usá-los para alcançar seus objetivos.

Limites Filtrados

Limites filtrados, porém, são os limites construídos a partir de idéias e crenças que não nos permitem tornarmo-nos criativos, limitam o nosso potencial criativo, negando a nossa capacidade de criar a nossa própria existência.

Exemplos disso são as crenças de que somos vítimas, que o mundo é um lugar difícil, que não há empregos suficientes na economia.

Um bom indicador para estes tipos de limites são as emoções associadas. Se elas são medo, ódio ou raiva, então você está experimentando um limite filtrado.

Limites filtrados limitam a nossa consciência e experiência de escolha sem nos dar uma possibilidade de ação positiva.

Novamente IKE – O mundo é o que você pensa que é – e você é parte do mundo e com isso você se define através de seu pensamento. Se você acha que há limites para o nível de alegria, felicidade, amor, saúde, riqueza, etc, você pode experimentar, então, vai ser isso.

Na verdade, não há limites – você simplesmente não pode ver longe o suficiente ainda. Assim como uma criança que mal consegue andar não pode correr uma milha por 4 minutos ou voar para a lua, não significa que isso não pode ser feito no futuro.

Sempre diga a si mesmo que agora você tem a perspectiva de uma criança em relação ao seu potencial futuro. Quando você cresce (mentalmente e espiritualmente), então você é capaz de ver muito mais longe, porque a sua perspectiva alterou-se daquela de uma criança.

Além disso, você está vestindo antolhos o tempo todo com todas as suas emoções ressentidas – como medo, ressentimento, ódio, raiva. Aprender a deixar de ir não só é bom para o seu relacionamento com outras pessoas, bem como a sua saúde – é também o caminho para superar seus limites.

Etapas de ação para Kala

Você pode pensar em alguém cuja companhia você realmente quer evitar? Quem está lhe dando um sentimento ruim cada vez que você está por perto? Então pergunte a si mesmo o que é que você não está disposto a aceitar ou perdoar sobre esta pessoa.

Uma boa maneira de fazer isso é através do Método de Sedona. É fácil.

Identifique o sentimento que o está incomodando sobre essa pessoa (note que também poderia ser você – perdoar a si mesmo é muito importante). Então pergunte a si mesmo as três perguntas do Método Sedona:

1. Eu poderia libertar esse sentimento?
2. Será que libertaria esse sentimento?
3. Quando?

Responda a cada vez.

Não há respostas certas ou erradas para estas perguntas. As questões 1 e 2 podem ser respondidas com o “sim” ou “não”. A pergunta 3 pode ser respondida com qualquer período de tempo, que vão desde “agora, neste instante” até “nunca – o inferno vai congelar primeiro” e todos os pontos entre eles.

Em seguida, repita as mesmas perguntas até chegar a um estado em que o sentimento ou problema já não o incomoda.

Além disso, imagine o que seria possível agora em sua vida uma vez que você se libertou completamente desse sentimento. Como você se sente e o que seria possível em sua vida, agora que você se libertou de outro limite.

Traduzido e adaptado do post original de Patrick Stoeckmann do blog Unwrap Your Mind

 

Confira os 7 princípios da Huna:

IKE – O mundo é o que você pensa que é
KALA – Não existem limites, tudo é possível (este artigo)
MAKIA – A energia flui para onde a atenção vai
MANAWA – Agora é o momento de poder
ALOHA – Amar é ser feliz com
MANA – Todo o poder vem de dentro
PONO – Eficácia é a medida da verdade


Recomendados

livros recomendados - lista amazon

Comentário(s)

Carregar mais posts relacionados
Carregar mais em Consciência

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja Também

Os Sete Princípios da Huna – 7. PONO

Sétimo e último princípio da filosofia Huna: PONO - Seus meios devem estar sempre em alinh…