Home Consciência Por que ser anti-guerra (ou anti qualquer coisa) não funciona?

Por que ser anti-guerra (ou anti qualquer coisa) não funciona?

6 min de leitura
0
0

A fonte da violência é a mente. Ao lutar contra “o inimigo”, eu me torno como “o inimigo”. Como ativista “anti-guerra”, posso acreditar que busco a paz. Mas meus pensamentos serão sobre guerra, não paz. Abaixo da minha consciência, estou realmente motivado pela violência contra a violência. Minha mente permanece violenta, tentando atacar alguma coisa.

Nossa mente cognitiva ainda é subserviente à nossa mente tribal primitiva (“Eu / Nós versus Você / Eles”). Isso é alimentado por duas emoções básicas – medo físico e desejo físico. Em tempos de conflito, o último assume e impede a mente consciente de tomar as melhores decisões. Minha mente tribal não apenas trava minha mente cognitiva, mas também a escraviza; eu começo a pensar enquanto meus sentimentos me direcionam, mas acho que estou sendo totalmente racional. (Agora estou sob uma “maldição imperiosa” auto-alimentada.)

Minha capacidade de raciocínio agora é usada para justificar e satisfazer meus sentimentos internos de medo, raiva e ódio contra os quais acredito serem autores de guerra. Imagino essas pessoas bombardeando escolas, realizando campos de concentração, estuprando mulheres e crianças, cometendo genocídios. . . Inconscientemente, minhas emoções negativas e memórias ligadas aos meus próprios sofrimentos na vida também se tornam motivadoras do meu ativismo anti-guerra.

Nesse nível, estou realmente odiando pessoas, não a ideologia da guerra. A partir deste estágio, qualquer pessoa que apóie o que considero “guerra” se torna meu inimigo pessoal – o medo, a raiva e o ódio contra eles me dominam. Se tenho qualidades de liderança, multiplico minha capacidade destrutiva por meio de meus seguidores. O banner abaixo diz tudo: “Mate os assassinos”.

Sendo Pró-Paz

Por outro lado, o ativismo pró-paz é um processo de cura. É verdade que é muito menos emocionante que o ativismo anti-guerra e pode até ser ridicularizado. Mas isso cura tanto a minha mente quanto a do meu inimigo. Eventualmente, não há inimigo para odiar, é mais provável acalmar os ânimos, curar as vítimas em vez de condenar os vilões e dissolver sentimentos de guerra e anti-guerra. Ser pró-paz também reduz divisões internas em minha mente, mantém meu cérebro funcionando de maneira mais inteligente – é essa inteligência que cria Madre Teresas e Mahatma Gandhis. Madre Teresa não condenou os estupradores, mas silenciosamente acolheu os bebês abandonados e os cuidou. Tampouco condenou o povo de Calcutá pelas pessoas que morriam nas ruas; em vez disso, acolheu-os e cuidou deles à sua maneira.

O caminho de Gandhi era recusar-se a obedecer a leis injustas, sem odiar ou resistir à violência dos autores. O não cumprimento compassivo de fato conquistou e neutralizou a motivação do inimigo no nível instintivo. Sem a violência interior, não havia mais inimizade e, portanto, nenhum inimigo. Essa estratégia – com todas as limitações da implementação em massa – permitiu que os britânicos deixassem a Índia como amigos e examinassem sua própria consciência. Em 1982, os britânicos produziram um filme intensamente autocrítico, Gandhi. Neste clipe, um jovem Gandhi explica sua nova filosofia “Satyagraha” para uma multidão de trabalhadores indianos na África do Sul.

 

Texto traduzido do original de Sajjeev Antony


Recomendados

livros recomendados - lista amazon

Comentário(s)

Carregar mais posts relacionados
Carregar mais em Consciência

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja Também

A paz que você quer no mundo começa por você

“Nós devemos ser a mudança que desejamos ver” – Mahatma Gandhi. Estamos nos deparando, em …