Home Consciência A idolatria do eu: a ênfase da cultura no “eu” é o problema, não a solução

A idolatria do eu: a ênfase da cultura no “eu” é o problema, não a solução

15 min de leitura
0
0

Desde o boom da autoajuda dos anos 1980 e 90 ao movimento do amor-próprio de nossa era moderna, o consenso cultural na América há muito é claro: para resolver nossos problemas, precisamos nos concentrar mais em nós mesmos.

Inseguro? “Repita esses mantras de auto-capacitação.” Falhando no seu trabalho? “É porque você não acredita em si mesmo!” Relacionamentos desmoronando? “Tente se amar mais.” Triste, solitário, ansioso, zangado ou deprimido? “Comprometa-se com mais autocuidado!”

A premissa subjacente a essas recomendações é que a fonte de nossa luta é a falta de foco em nós mesmos. Se apenas dedicarmos mais tempo para atender às nossas necessidades, nos conhecendo e nos aprimorando, os pedaços quebrados de nossas vidas se encaixariam. Se pudéssemos finalmente aprender a nos amar o suficiente, nossos relacionamentos seriam mais saudáveis, nosso trabalho se tornaria mais gratificante e, finalmente, teríamos a confiança para perseguir as coisas que desejamos. Alcançaríamos a autorrealização que muitos palestrantes motivacionais e gurus do estilo de vida glorificam, e nossos maiores desejos se tornariam realidade.

Existem alguns problemas com essa teoria. Em primeiro lugar, não há indicação de que nossa sociedade esteja sofrendo de falta de foco em si mesmo. Além de ser consumidores e criadores de uma indústria altamente lucrativa de autoajuda / amor próprio (incluindo livros, conferências, podcasts, blogs e contas do Instagram), milhões de nós também somos usuários ávidos de tecnologia e plataformas de mídia social que são individualizadas e personalizado.

Estamos infinitamente comprometidos em aprender mais sobre nós mesmos, nossa personalidade, nossos pontos fortes e fracos. Empregamos constantemente ferramentas para garantir que nossas necessidades sejam atendidas de maneira conveniente e nossos interesses sejam satisfeitos instantaneamente. Queremos nos conhecer, nos encontrar, aprender a ser realmente nós mesmos. Gastamos muito de nosso tempo e dinheiro descobrindo maneiras de fazer essas coisas. Mas simplesmente não há evidências de que o problema que enfrentamos hoje é muito pouco ego.

O segundo buraco na ideia do poder de cura total do amor próprio, da autoajuda e do autocuidado é que, logicamente, o eu não pode ser ao mesmo tempo o problema e a solução. Se dentro de nós encontramos o que nos aflige – insegurança, dúvida, depressão, ansiedade, medo – a solução para esses problemas também não pode ser encontrada lá.

Isso porque o eu não é a solução de forma alguma. Na verdade, o self é o problema.

Isso leva ao maior defeito dessa mentalidade, o que chamo de “narcisismo da moda”. Refiro-me a isso em meu livro, “Você não é o suficiente (e está tudo bem)” – apenas em inglês -. O eu não é a fonte de poder especial, sabedoria ou cura. Não nos sentiremos realizados amando a nós mesmos e nos concentrando mais em nós mesmos. Fazer isso é antibíblico.

Na verdade, 2 Timóteo 3: 2 diz que uma das características dos “últimos dias” serão as pessoas que são “amantes de si mesmas”. Nunca recebemos o mandamento das Escrituras de nos envolvermos em amor próprio, auto-capacitação ou qualquer tipo de egocentrismo. Em vez disso, somos chamados ao oposto: negar a nós mesmos, tomar nossa cruz e seguir a Cristo (Lucas 9:23).

Isso significa que devemos odiar a nós mesmos? Isso significa que, se já lutamos contra a auto-aversão, devemos chafurdar em pensamentos negativos sobre nós mesmos, nossas habilidades ou nosso corpo?

Absolutamente não. O ódio por si mesmo é simplesmente o outro lado da moeda da auto-obsessão. Em vez disso, devemos nos ver como Deus diz que somos: terrivelmente e maravilhosamente feitos à imagem de Deus e, se somos cristãos, Seus filhos queridos a quem vale a pena morrer (Gênesis 1:27; Salmo 139: 14; 1 João 3: 1; João 3:16).

Nem negar a nós mesmos significa que não devemos descansar, nos divertir e fazer coisas que nos fazem sentir rejuvenescidos. Deus nos fez precisar de descanso e certamente nos chama para desfrutar das bênçãos que nos deu. Também somos livres para tomar medidas para alcançar nossos objetivos e adicionar a disciplina necessária a nossas vidas.

Mas somos chamados para longe da auto-obsessão e para algo melhor: o esquecimento de si mesmo. Significa – não confiarmos na autossuficiência, no autocuidado ou na autocapacitação para obter nossa força, mas na entrega a Jesus. Ele é nossa fonte de sabedoria, consolo, confiança, paz e amor – não nós mesmos.

E o amor que Ele nos dá nos obriga a nos concentrar nos outros antes de pensarmos em nós mesmos. Quando Jesus ordena “ame o seu próximo como a si mesmo”, isso não é um chamado para sentirmos afeição por nós mesmos antes que possamos sentir afeição por aqueles ao nosso redor (Mateus 22:39). O tipo de amor que Jesus está descrevendo é o amor por nós mesmos que é inato. Ele está dizendo: com o mesmo impulso instintivo que o obriga a cuidar de si mesmo, cuide dos outros.

Em “Cristianismo Puro e Simples”, C.S. Lewis aponta que o amor ao qual somos chamados como cristãos não é sobre sentimentos – seja para conosco ou para com o próximo – mas sobre ação. Ele escreve: “Não perca tempo se preocupando se você ‘ama’ o seu próximo; aja como se você o fizesse”.

O mantra popular, “Você não pode amar outras pessoas até que ame a si mesmo”, é simplesmente falso. Em primeiro lugar, parece sugerir que o amor consiste principalmente em pensamentos e sentimentos que você tem sobre si mesmo, e não em uma ação decisiva. Em segundo lugar, isso nos torna a fonte de nosso amor pelos outros, ao invés de Cristo. Terceiro, nos impede de buscar servir às pessoas que precisam de nossa ajuda agora, porque estamos constantemente adiando o amor pelos outros até que tenhamos alcançado o amor sempre evasivo de nós mesmos.

Aqui está o ponto: estamos perdendo tempo tentando encontrar o que estamos procurando – paz, propósito ou poder – dentro de nós mesmos. Apesar do que influenciadores, autores ou palestrantes motivacionais podem nos dizer, não somos o suficiente. Precisamos do Deus que nos criou para nos salvar e nos sustentar. Quando dirigimos nosso olhar para Ele, Ele nos ajuda a ver a nós mesmos e aos que estão ao nosso redor corretamente, e nos dá uma identidade e um significado que são muito maiores do que podemos reunir por conta própria.

Depender de nós mesmos para obter o amor e a satisfação que buscamos só nos deixará exaustos. Em vez disso, devemos confiar em Cristo – a Água Viva que mata nossa sede e o Pão da Vida que sacia nossa fome – para encontrar tudo de que precisamos.

Artigo original

Carregar mais posts relacionados
Carregar mais em Consciência

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Veja Também

Salvação em Nenhum Outro Nome

O que as pessoas mais precisam? A resposta permanece a mesma de sempre: Uma compreens&atil…