Home Bem-estar Saúde Psicologia A importância do “tempo” em uma relação

A importância do “tempo” em uma relação

11 min de leitura
1
0

…Fiquei um tempo sem querer falar da vida
Tipo uma fuga, uma fuga mal resolvida
Mas nada se resolveu
Até não assumir
Saber o que quer e o que veio fazer aqui
Não quis me afastar
Mas essa distância me fez querer voltar…

Nx Zero /Vamos Seguir

dar-um-tempo

Tempo, palavra pequena, mas de uma significância ímpar. Algumas pessoas entendem a importância deste em uma relação, outras nem tanto. Só de pensar na possibilidade do tempo se entristecem, choram e se veem literalmente perdidas.

E é esse estar “perdido” que por vezes nos mostra o quanto nos “apegamos” ao outro, as coisas e as pessoas a nossa volta e assim, esquecemo-nos de ser e fazer tudo aquilo que intrinsecamente nos tornam únicos.

Relacionar-se com alguém deveria ser uma oportunidade de crescimento, de mergulhar em outra história, conhecer outra vida, outro jeito, outro olhar, outra alma.

Penso que a comunicação seja a parte mais importante em uma relação, seja ela amorosa ou não. Muitos casais se desentendem justamente por não conversarem um com o outro, de certa forma eles tendem a acumular ideias, falhas, medos e inseguranças dentro de si mesmos e com isso vão se “enchendo” com todos esses sentimentos e sensações que não encontraram saída ao longo do relacionamento.

Carl Rogers (1902-1987), psicólogo norte americano grande teórico da Psicologia Humanista afirmava que em qualquer relação continuada, todo sentimento persistente deveria ser expresso e que a sua repressão só poderia estragar o relacionamento.

Assim, toda essa “acumulação não elaborada” vai envenenando a pessoa que o guarda e momentos que poderiam ser vivenciados de uma forma mais plena e harmoniosa vão se tornando um fardo cada vez mais pesado, até que a pessoa que o “carrega” decide dar um basta e acabar com a relação, achando que esta é a “causa” de seu cansaço, desânimo e mal estar.

Esse estado do término de uma relação por vezes é o melhor caminho para o casal, é o famoso “dar um tempo” que muitas pessoas rejeitam e logo de cara querem por um fim, um ultimato uma conclusão. Talvez ajam assim por se sentirem melhor com a certeza do outro, para não terem que se encontrar com a incerteza e a insegurança que lhe são próprias.

Muitas dessas pessoas só conseguem ver o lado contrário, se veem ameaçadas, rejeitadas e pouco valorizadas pelo outro. Vivências assim resgatam sensações de desamparo e abandono que de uma forma ou de outra trazem a tona a forma pela qual lidamos com nossas frustações.

Mas e quando o “dar um tempo” é visto de uma forma diferente, positiva e producente?

O tempo visto como aliado nos ensina, acrescenta e nos compõem de uma forma maravilhosa, pois o enxergando como um aliado a pessoa tende a valorizar ela mesma, passa a se conhecer melhor e determinar o que a deixa feliz, alegre e animada com a vida. E acredite, muitas das vezes é a pessoa com quem se relacionava que volta diferente e a relação fica agradável e produtiva para ambos.

A aprendizagem nesse “dar um tempo” pode ensinar ao casal diversas coisas, como a importância do respeito ao outro e sua forma peculiar de ver e ser no mundo, a aceitação plena das diferenças, a liberdade de ambos para serem e gostarem de coisas que lhe são próprias, a importância de falar o que pensa e sente e também de escutar o outro com atenção e empatia e acima de tudo, o respeito à autonomia de cada um.

É tamanha a importância de aprender primeiro a estar só, para depois estar com o outro, pois assim a presença deste em sua vida não vira uma necessidade, pelo contrário o estar junto se torna leve e a vontade de viver momentos a dois é compartilhada e desejada por ambos.

Para que uma relação possa dar certo ela precisa ser trabalhada, construída e reconstruída e constantemente revigorada pelo crescimento dos dois cônjuges.

E é exatamente nesse construir e reconstruir que encontramos o famoso e rejeitado “dar um tempo”. Às vezes é nessa “pausa” que se encontra o sentido da relação, é onde se aprende a viver verdadeiramente a dois e não por dois.

…Foi bom poder sentir saudade

Foi bom voltar a ter vontade

Foi bom pra ver se era de verdade

Desaprender pra voltar a ser como antes

Então vamos viver, porque tá tudo bem

Assunto resolvido, isso é passado, amém

Vamos seguir em frente…

Nx Zero /Vamos Seguir

 

Lingia Menezes de Araújo
Psicóloga Clínica
Facebook
Tel.: (31) 3150 -9950 / 9576-9032 / 8671-1127
Contagem/MG

OBS: Todo o conteúdo desta e de outras publicações tem função informativa e não terapêutica.

 

Referência Bibliográfica

ROGERS, Carl R. Novas Formas do amor: o casamento e suas alternativas. 8º.ed. Rio de Janeiro. José Olympio, 1991.

Trilha Sonora: https://www.youtube.com/watch?v=mFy_hb1A5d8


Recomendados

livros recomendados - lista amazon

Comentário(s)

Carregar mais posts relacionados
Carregar mais em Psicologia

Um comentário

  1. valeria@gmail.com'

    Valeria

    16 de junho de 2017 at 22:52

    Interessante.

    Reply

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja Também

Como usar as plantas para trazer harmonia em 5 situações importantes da vida

Conhecimentos da Fitoenergética podem ser aplicados para superar dificuldades e lim…