woman standing on beach

O impacto do calor na saúde auditiva e respiratória, otorrino explica

As altas temperaturas seguidas de chuvas tão comuns do verão podem influenciar a saúde auditiva e respiratória do ouvido, nariz e garganta.

O médico otorrinolaringologista Bruno Borges de Carvalho Barros da capital paulista, explica como proteger essas áreas essenciais do corpo durante os dias quentes.

Ouvido

O calor extremo ou prolongado pode afetar a saúde auditiva já que ambientes muito quentes e banhos de piscina ou mar, podem levar ao excesso de umidade, afetando a pele do ouvido e assim, tornar o ouvido mais suscetível a infecções por bactérias e fungos – conhecidas como a otite externa tão comum no verão.

“A cera de ouvido pode também ficar mais líquida com o contato com a água e assim afetar a autolimpeza natural do ouvido, aumentando potencialmente o risco de acúmulo de cera”, fala Dr. Bruno.

Por essas e outras, o médico afirma que é importante evitar a exposição prolongada a temperaturas extremas e secar bem os ouvidos após exposição à água do mar, da piscina e até mesmo do banho. Vale lembrar também da importância de proteger a pele da orelha com protetor solar para evitar queimaduras.

PUBLICIDADE

Nariz

A mucosa do nariz também pode sofrer desidratação pelo calor excessivo e assim, tornar o muco mais espesso, dificultando a passagem de ar.

“Isso pode gerar desconforto, coceira, espirros e até mesmo ressecamento e sangramento nasal. Além disso, pessoas com condições pré-existentes, como rinite, sinusite ou desvio de septo podem sentir ainda mais os sintomas nos dias mais quentes”, alerta o otorrino.

Garganta

Dr. Bruno fala ainda que, também por culpa da desidratação, a mucosa da garganta fica mais suscetíveis a irritações e infecções.

“Beber água e manter os ambientes bem ventilados ajuda a reduzir a concentração de alérgenos e melhoram a saúde como um todo”, finaliza o especialista.

Sobre Bruno Borges de Carvalho Barros
Médico otorrinolaringologista pela UNIFESP Professor Medcel Pós-graduação pela UNIFESP. Especialista em otorrinolaringologia pela Associação Brasileira de Otorrinolaringologia e cirurgia cervico-facial. Mestre e fellow pela Universidade Federal de São Paulo.

Posts Similares

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *