Home Bem-estar Saúde Médico afirma: Combate ao COVID não é protocolo, é experiência clínica

Médico afirma: Combate ao COVID não é protocolo, é experiência clínica

5 min de leitura
0
0

Tudo o que acontece na Medicina precisa de fundamentação. Como explicar que, em uma mesma casa, familiares necessitam de internação em UTI por COVID-19 e outros não desenvolvem a doença nem mesmo acusam a presença do vírus? Não basta dizer que depende apenas da carga viral. A prática médica é fundamental nessa interpretação.

As células do organismo possuem moléculas chamadas de receptores, geneticamente determinadas. As consequências do vírus se dão a partir do momento em que ele adere a esses receptores.

Se não há aderência, a doença não se desenvolve. Caso haja, ele adentra em uma organela intracelular denominada lisossomo e desencadeia a replicação viral.

Consequentemente, ocorre a produção de interleucinas e citocinas, o que resulta em efeitos diretos no paciente. Todo esse processo não é novidade: é o modus operandi das doenças infecciosas.

Portanto, é a quantidade de interleucinas e citocinas liberadas que será responsável pelas manifestações clínicas do COVID-19. Quanto maior a produção, maior a gravidade.

Não é o vírus quem atinge o músculo e causa dor ou vai ao pericárdio ou miocárdio e acarreta alterações cardíacas. São esses mediadores quem atuam sobre as estruturas do organismo. O vírus pode até estar lá, mas não é o responsável pelos sintomas.

Minhas afirmações têm base nos diversos estudos de Fisiopatologia. O mecanismo é o mesmo para todas as doenças, facilitando o raciocínio do que está acontecendo.

No caso do novo coronavírus, porém, há maior agressividade. As substâncias liberadas são muito maiores e talvez tenham uma ação predileta por determinados órgãos, como pulmão, rim, fígado e outros.

O COVID-19 é uma doença clínica e deve ser tratada como tal. O diagnóstico precisa ser alicerçado na fisiopatologia e não na semelhança. Uma gripe pode ter quadro semelhante ao de coronavírus, por exemplo, mas é preciso que a investigação seja feita com fundamentação nos procedimentos da patologia.

Além disso, o tratamento deve ser o mais precoce possível. Existem estudos bem avançados e a possibilidade de uma vacina no horizonte, mas em termos de tratamento, não há nada estruturado, por enquanto.

O que temos de concreto, liberado pelo Conselho Federal de Medicina (CFM), é o uso da cloroquina a partir dos primeiros sintomas. A despeito do alarde diante dos efeitos colaterais, posso dizer, com base em minha experiência de mais de 40 anos com o medicamento, que nunca um paciente meu desenvolveu tais problemas. Na ausência de outros métodos, os resultados positivos do uso terapêutico da cloroquina não podem ser ignorados.

Ressalto, ainda, a insensatez da disseminação do corticoide como possibilidade medicamentosa. Quem o faz, desconhece totalmente a fisiopatologia da doença. A divulgação na mídia surgiu por pessoas mal-intencionadas, com intuitos puramente mercadológicos. E não podemos admitir tamanho absurdo na medicina de hoje, muito menos na crise atual.

Antonio Carlos Lopes, presidente da Sociedade Brasileira de Clínica Médica

 


Publicidade


Carregar mais posts relacionados
Carregar mais em Saúde

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja Também

Aproveite a hora do almoço para realizar exercícios rápidos e se livrar das dores

Não pule o treino só porque a agenda está corrida. O fisioterapeuta Bernardo Sampaio ensin…