Home Espiritualidade O Significado do Natal, por A. W. Tozer

O Significado do Natal, por A. W. Tozer

12 min de leitura
0
0

O grande pregador e autor prolífico, A.W. Tozer, escreveu um artigo poderoso sobre o significado do Natal. Embora tenha sido escrita há várias décadas, as palavras têm mais impacto hoje do que nunca.

O Natal não se trata de festividades, de materialismo, de presentes, ou mesmo de momentos em família. É sobre um Salvador!  Ao nos aproximarmos do dia de Natal, que nossos corações e mentes estejam fixos na verdade da Palavra de Deus.

Em todo o mundo ocidental, tendemos a seguir o poeta e a abordar o Natal de maneira emocional, em vez de factual. É o romance do Natal que confere seu extraordinário apelo àquele número relativamente pequeno de pessoas da população da Terra que o celebra regularmente.

Estamos tão completamente arrebatados pela emoção deste festival de solstício de inverno que podemos esquecer que seu apelo romântico é o que há de menos significativo nele. A teologia do Natal facilmente se perde sob os invólucros alegres, mas fora seu significado teológico realmente não tem nenhum. 

Meia dúzia de canções de natal com som doutrinário servem para manter viva a grande e profunda verdade da Encarnação, mas, fora isso, a música popular de Natal é desprovida de qualquer verdade real e duradoura. (…)

Não devemos esquecer que a Igreja é a guardiã de uma verdade tão grave e urgente que sua importância não pode ser superestimada, e tão vasta e incompreensível que nem mesmo um apóstolo tentou explicá-la; em vez disso, explodiu dele como uma exclamação de espanto:

“Sem dúvida, grande é esse mistério da fé:
Deus foi manifestado em carne,
foi justificado no Espírito,
contemplado pelos anjos,
pregado entre as nações,
crido no mundo
e recebido acima na glória.”
1 Timóteo 3:16 )

Isso é o que a Igreja está tentando dizer à humanidade, mas sua voz hoje em dia é fina e fraca e mal ouvida em meio ao clangor comercializado da ‘Silent Night‘.

Parece estranho que tantas pessoas fiquem entusiasmadas com o Natal e tão poucas parem para investigar seu significado; mas suponho que esse estranho fenômeno esteja em perfeita harmonia com nosso infeliz hábito humano de ampliar as trivialidades e ignorar os assuntos de maior importância. 

O mesmo homem que verificará seus pneus e consultará seu roteiro com o máximo cuidado antes de iniciar uma jornada pode viajar para o resto da vida no caminho que não tem volta e nunca parar para perguntar se está ou não na direção certa.

A mensagem de Natal, quando despojada de seus tons pagãos, é relativamente simples: Deus veio à terra na forma de um homem. Em torno desse dogma gira toda a questão do significado. Deus veio ou não; Ele veio ou não, e o vasto acúmulo de noções sentimentais e práticas românticas que compõem nosso Natal moderno não pode dar provas de um lado ou do outro.

Certos professores religiosos nos tempos apostólicos se recusaram a acreditar que Jesus era realmente Deus vindo em carne. Eles estavam dispostos a exaurir a linguagem da bajulação untuosa para descrever Sua gloriosa masculinidade, mas não quiseram aceitar Sua divindade. 

Sua filosofia básica os proibia de acreditar que jamais poderia haver uma união de Deus com a carne humana. A matéria, diziam eles, é essencialmente má. Deus, que é impecavelmente santo, jamais se permitiria o contato com o mal. A carne humana é matéria, portanto Deus não veio em carne.

Certamente não seria difícil refutar esse ensinamento negativo. Seria necessário apenas demonstrar o erro da premissa principal, a pecaminosidade essencial da matéria, e a coisa toda entraria em colapso. 

Mas isso seria confrontar a razão com a razão e tirar o mistério da piedade do reino da fé e torná-lo apenas outra filosofia religiosa. Então teríamos um racionalismo com um fino verniz cristão. Quanto tempo antes que o verniz passasse e tivéssemos apenas racionalismo?

Embora a fé contenha um elemento de razão, é essencialmente moral, e não intelectual. No Novo Testamento, a descrença é um pecado, e isso não poderia ser se a fé não fosse mais do que um veredicto baseado em evidências. 

Não há nada de irracional na mensagem cristã, mas seu apelo não é principalmente à razão. Em determinado momento, em certo lugar, Deus se fez carne, mas a transcendência de Cristo sobre a consciência humana não é histórica; é íntimo, direto e pessoal.

A vinda de Cristo à manjedoura de Belém estava em harmonia com o fato primário de Sua presença secreta no mundo nos tempos pré-encarnados como a Luz que ilumina todo homem. A soma do ensino do Novo Testamento sobre isso é que as afirmações de Cristo são autovalidantes e serão rejeitadas apenas por aqueles que amam o mal. 

Sempre que Cristo é pregado no poder do Espírito, um tribunal é erguido e cada ouvinte é julgado por sua resposta à mensagem. Sua responsabilidade moral não é para com uma lição de história religiosa, mas para com a Pessoa divina que agora o confronta.

Em todos os lugares, em todos os lugares, hoje à noite no Natal. Mas o Natal significa mais do que se supõe popularmente ou não significa nada. 

É melhor decidirmos.

A.W. Tozer em “A  Guerra do Espírito

Para entender mais sobre as origens do Natal: “A verdadeira história do Natal

 

Carregar mais posts relacionados
Carregar mais em Espiritualidade

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja Também

10 receitas vegetarianas e saudáveis para o Natal e o Ano Novo

A Freeletics Nutrition elaborou pratos para quem quer celebrar as festas de fim de ano sem…