Home Bem-estar Saúde Tudo que você precisa saber sobre o estrabismo convergente

Tudo que você precisa saber sobre o estrabismo convergente

9 min de leitura
0
0

O estrabismo convergente é, de longe, o mais conhecido do público em geral. É o estrabismo que leva o olho a se desviar para dentro, ou seja, em direção ao nariz, popularmente chamado de vesguice. É também o mais comum na infância.

estrabismo convergente

De acordo com Dra. Marcela Barreira, oftalmopediatra especialista em estrabismo, a condição ocorre quando há desalinhamento dos eixos visuais.

“O estrabismo impede que os músculos oculares funcionem de forma sincronizada e isso faz com que um dos olhos se desvie. Esses desvios podem ocorrer para dentro, para fora, para cima e para baixo. Aquele que leva o olho em direção ao nariz é chamado de convergente”.

Desde o início

“O estrabismo convergente, além de ser o mais prevalente na infância, pode estar presente desde o nascimento. A forma congênita é a mais preocupante e se desenvolve até os 6 meses de idade. Porém, é a forma mais rara da condição”, explica a especialista.

Aqui vale um lembrete: até os 3 meses de vida, o desvio nos olhos do bebê é considerado normal, pois a visão está em desenvolvimento, exceto nos casos congênitos.

Entretanto, se depois desse período o desvio se tornar constante, o ideal é procurar um oftalmopediatra. O estrabismo convergente pode também aparecer nas crianças mais velhas, adolescentes e adultos.

A origem

Em geral, o estrabismo é causado por alterações nos músculos oculares, bem como por erros de refração, como hipermetropia. Nos últimos anos, estudos têm apontado que há também uma base genética envolvida no estrabismo, relacionada à expressão de genes específicos dos músculos oculares.

Outra descoberta é que os pesquisadores encontraram mutações genéticas compartilhadas por famílias. “Esse achado corrobora o que já é observado na prática clínica, pois há muitos casos em que o estrabismo está presente em vários membros de uma mesma família”, comenta Dra. Marcela.

Há também causas neurológicas, como paralisia cerebral e outras doenças neurológicas. Algumas síndromes, como a de Down, também aumentam o risco. Estima-se que 40% das crianças com a trissomia do cromossomo 21 têm estrabismo.

A prematuridade, a exposição a drogas durante a gravidez, bem como baixo peso ao nascer, defeitos oculares congênitos ou adquiridos são outras condições relacionadas ao desenvolvimento do estrabismo.

Além da estética

Um dos principais mitos em relação ao estrabismo é que a cirurgia é apenas para melhorar a estética. “Entretanto, a cirurgia é fundamental para preservar a visão binocular, responsável pela visão de profundidade, a visão 3D”, ressalta Dra. Marcela.

“Nos casos congênitos de estrabismo convergente, por exemplo, a cirurgia pode ser indicada antes mesmo da criança completar um ano de idade. Mas, em média, os bebês com esse tipo de estrabismo passam pelo procedimento cirúrgico de correção entre 10 e 18 meses”.

Importância da visão binocular

A visão binocular intacta é exigida em diversas profissões, como piloto de avião, médico cirurgião etc. Além da vida profissional, pode afetar os estudos, pois para ver imagens num microscópio, por exemplo, é preciso usar a visão binocular.

A imagem que vemos se forma da seguinte maneira: cada olho capta uma imagem por meio da retina. Essas imagens são enviadas ao cérebro por meio do nervo óptico e fundidas em uma única.

“Em quem tem estrabismo, as imagens captadas são diferentes devido ao desvio dos eixos visuais. Quando elas chegam ao cérebro, o órgão opta pela melhor imagem, ou seja, aquela captada pelo olho sem o desvio. A consequência dessa supressão, por período prolongado, é a ambliopia (olho preguiçoso)”, diz Dra. Marcela.

“Caso essa supressão aconteça por tempo prolongado, durante o período considerado crítico para o desenvolvimento visual, que é por volta dos dois anos de idade, e que se completa por volta dos sete, há a possibilidade de ocorrer supressão irreversível. Ou seja, o cérebro vai continuamente favorecer o olho com a melhor visão, reduzindo a capacidade visual do olho afetado”, afirma Dra. Marcela.

Infelizmente, nos casos de estrabismo convergente congênito, raramente é possível recuperar a visão binocular.

Cirurgia ou tampão?

Há muita confusão quando se fala no tratamento do estrabismo, principalmente em relação ao uso do tampão.

“O uso do tampão no olho dominante, ou seja, com a melhor capacidade visual, é o tratamento padrão para a ambliopia. A oclusão força o cérebro a utilizar a imagem captada pelo olho afetado. Entretanto, o tampão não trata o estrabismo! Portanto, não vai reverter o desvio do olho”, reforça Dra. Marcela.

“A correção do desvio só é possível por meio da cirurgia para alinhamento dos eixos visuais. Mesmo com a cirurgia, nas crianças que já desenvolveram a ambliopia, a oclusão pode ser necessária”, finaliza Dra. Marcela.

A dica para os pais é levar o bebê, ainda no primeiro ano de vida, ao oftalmopediatra para uma consulta de rotina.

 


Recomendados

livros recomendados - lista amazon
Carregar mais posts relacionados
Carregar mais em Saúde

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja Também

Vista embaçada pode ser sintoma da Síndrome da Visão do Computador

Quem usa mais de três horas por dia já está em risco A tecnologia nunca esteve tão present…