Home Bem-estar Saúde Psicologia Síndrome de Fregoli: quando os disfarces estão em todos os lugares

Síndrome de Fregoli: quando os disfarces estão em todos os lugares

16 min de leitura
0
0

A Síndrome de Fregoli é uma doença neurológica e psiquiátrica, classificada nos Transtornos Delirantes de Identificação, em que o indivíduo acredita que as pessoas ao redor são capazes de se disfarçar para se fazerem passar por outras pessoas. A síndrome foi identificada pela primeira vez no ator italiano Leopoldo Fregoli, resultando no nome do transtorno.

Como esse nome é incomum, foi criada uma regra mnemônica para facilitar sua memorização. Assim, na palavra “Fregoli”, temos a letra “F” de “falso” e a sílaba “re”, que serve para lembrar de “reconhecimento”. Pela união, temos: “falso reconhecimento” delirante, ou simplesmente Síndrome de Fregoli.

Neste artigo, a Dra. Luciana Mancini Bari, coordenadora de Práticas Médicas do Hospital Santa Mônica, reuniu informações sobre os sintomas, as causas, as formas de tratar a Síndrome de Fregoli, os impactos da doença na vida do paciente e outros transtornos associados a ela.

Entenda a Síndrome de Fregoli com um exemplo

A Já explicamos o significado da síndrome, então, confira um exemplo prático. Um indivíduo diagnosticado com Fregoli pode olhar para uma pessoa desconhecida e acreditar que ela é um familiar, enxergando-a fisicamente diferente, mas psicologicamente idêntico.

Em um caso relatado pelo psiquiatra Elie Cheniaux, Professor Titular de Psiquiatria da Universidade do Estado do Rio de Janeiro, o paciente abraçava um colega de quarto acreditando ser seu pai, ainda que reconhecesse que o rosto do pai estivesse completamente diferente.

Essa síndrome gera vários prejuízos ao doente, incluindo o isolamento, ou seja, a falta de convívio social por receio de ter uma crise na presença de outras pessoas.

Conheça os principais sintomas da Síndrome de Fregoli

Os sintomas da Síndrome de Fregoli podem aparecer todos ao mesmo tempo ou em momentos distintos. São eles:

  • não reconhecer os rostos (do cônjuge, dos filhos, de parentes, vizinhos, animais de estimação etc.), mas identificar a pessoa que ele acredita ser (mas não é) pela voz ou pela roupa;
  • acreditar que está diante de um impostor (ideia delirante);
  • reconhecer o rosto como um objeto antes de reconhecê-lo como uma pessoa familiar;
  • escutar a voz da pessoa que ele acredita ser (denomina-se núcleo de identidade pessoal);
  • acreditar que a pessoa está usando roupas, alterando a aparência ou até mesmo o gênero apenas para se disfarçar para conseguir uma aproximação.

 

Saiba o que pode causar a Síndrome de Fregoli

Estudos neurofisiológicos e de neuroimagem (ciências cognitivas) apontaram para a presença de lesões cerebrais na Síndrome de Fregoli. Pesquisas indicam que cada sintoma da síndrome é formado em uma região cerebral diferente.

Existe uma área do cérebro que reconhece um rosto como tal, outra região que associa uma face visualmente falando, além de uma terceira área que gera a sensação de familiaridade.

Em outro estudo, pesquisadores descobriram que todos os pacientes tinham lesões em uma região cerebral responsável pelo processamento da familiaridade. Além disso, todas as lesões, com exceção de uma, eram devidas à região da avaliação da crença, ou seja, as lesões tinham que aparecer nas duas regiões simultaneamente.

Diferentemente de vários transtornos psiquiátricos, as causas da Síndrome de Fregoli não são devidas ao desequilíbrio dos neurotransmissores cerebrais, mas por lesões em determinadas regiões do cérebro. Segundo um artigo da Scielo, a Síndrome de Fregoli pode ser identificada em pacientes com doenças vasculares ou neurológicas (como Mal de Alzheimer, Mal de Parkinson e lesões cerebrais traumáticas).

Além disso, há pelo menos dois casos descritos na literatura médica causados por uma infecção. Em um deles, uma pneumonia aguda associada a uma infecção urinária desencadeou o delírio de falso reconhecimento. No outro, o relato de Fregoli foi associado a uma febre tifoide.

Entenda como se dá o tratamento para esse quadro

A exemplo de outros transtornos psiquiátricos, não existe cura para a Síndrome de Fregoli. Entretanto, felizmente para os pacientes e seus familiares, há tratamentos para amenizar os sintomas. Em geral, usa-se a psicoterapia — que pode ser individual e/ou em grupo — e medicamentos prescritos pelo médico psiquiatra, como:

  • antipsicóticos orais;
  • antidepressivos;
  • anticonvulsivantes (se o paciente apresentar convulsões).

Em casos mais graves, em que o paciente apresenta riscos para si mesmo e para os outros, recorre-se à internação.

Conheça os impactos da Síndrome de Fregoli no bem-estar do paciente

Infelizmente, a qualidade de vida da pessoa com Síndrome de Fregoli pode ser bastante prejudicada. Isso acontece porque o paciente acredita que está sendo perseguido a todo momento por seus próprios parentes ou conhecidos disfarçados.

Assim, o paciente Fregoli pensa que um estranho, ou até mesmo o seu médico ou enfermeiro, é uma pessoa que ele conhece bem. No entanto, em vez de crer que esse indivíduo lhe quer bem, ele tem convicção de que a pessoa quer persegui-lo e atacá-lo. Cabe salientar que nem sempre o paciente pensa que o outro será violento.

Em função desse sintoma, a pessoa sente mal-estar. Seus momentos de tranquilidade ficam condicionados àqueles em que os sintomas não se manifestam. É por isso que um tratamento adequado e individualizado é fundamental.

Uma informação curiosa pode ajudar aos pacientes com esse e outros transtornos psiquiátricos: assistir a filmes de terror pode ajudá-los a relaxar.

Confira os principais transtornos associados à Síndrome de Fregoli

É bastante comum que pacientes com outras doenças psiquiátricas apresentem, ao mesmo tempo, outros transtornos. A Síndrome de Fregoli, por exemplo, também pode ser observada:

  • na esquizofrenia;
  • nos transtornos do humor (como o Transtorno Afetivo Bipolar);
  • nos transtornos delirantes com sintomas psicóticos;
  • concomitantemente a outros transtornos de identificação, como o Capgras.

Um estudo de caso de uma paciente com síndrome de Capgras e Fregoli, além de esquizofrenia paranoide e alterações cerebrais mostra que, para o diagnóstico, foi feita uma entrevista psiquiátrica e uma ressonância magnética de crânio.

Os resultados demonstraram que os delírios em ambas as síndromes ocorreram como resultado de uma alteração neurológica (desconexão têmporo-límbica-frontal direita), causando a impossibilidade de associar memórias prévias a novas informações.

A consequência disso é a alteração na capacidade de reconhecimento. O exame ainda mostrou perda de volume nessas regiões cerebrais — o que pode desempenhar um importante papel no desenvolvimento dessas síndromes delirantes de identificação.

 

Saiba como o Hospital Santa Mônica pode ajudar na Síndrome de Fregoli

O diagnóstico da Síndrome de Fregoli deve ser preciso, para que o melhor tratamento seja dispensado ao paciente. É preciso descobrir se há outra doença como causa ou piora dos sintomas da síndrome (como visto anteriormente).

O Hospital Santa Mônica oferece a possibilidade da realização de exames e conta com médico clínico geral para essa averiguação. Os sintomas psiquiátricos serão avaliados por um médico psiquiatra com grande experiência em saúde mental. Além disso, os pacientes do HSM contam com apoio de 24 horas diárias.

Se você tem algum familiar ou amigo que apresenta os sintomas da Síndrome de Fregoli, encaminhe-o para uma avaliação multidisciplinar.

Carregar mais posts relacionados
Carregar mais em Psicologia

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Veja Também

Bipolaridade é grave, sim. Conheça os tipos de transtornos

De acordo com dados da OMS (Organização Mundial de Saúde), o transtor…